7 de December de 2021

NOTICIAS

Colômbia está passando por uma verdadeira revolta

Colômbia está passando por uma verdadeira revolta

Havana (Prensa Latina) A greve nacional de quase 20 dias na Colômbia é um verdadeiro levante, já que décadas atrás não havia sido vista nem na extensão nem na duração, disse o representante na Casa do Congresso, Sergio Marín.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em entrevista à Prensa Latina, via Internet, explicou que o principal motivo da greve iniciada em 28 de abril, convocada pelos setores sindical, social, étnico, estudantil e juvenil, foi o anúncio do governo de Iván Duque e seu ex-ministro da Fazenda Alberto Carrasquilla, para apresentar projeto de reforma tributária.

O legislador do partido Comunes explicou que a polêmica proposta basicamente aumentou o imposto sobre o valor agregado sobre todos os produtos da cesta familiar, bens e serviços mais necessários à vida de todos os colombianos.

Também aumentou a base tributária a partir da qual o imposto de renda começou a ser pago no país, que atualmente é de cerca de US $ 1.000 por mês, disse ele. ‘Isso foi algo que puniu as classes médias, os profissionais, os trabalhadores independentes, a grande maioria da força de trabalho do país sul-americano’.

Para ele, tratava-se de uma reforma tributária com o objetivo de punir os bolsos dos mais pobres e das classes médias, mantendo e até aumentando as isenções tributárias para as grandes capitais nacionais e transnacionais.

A proposta não contemplou medidas decisivas para combater a evasão tributária, que na Colômbia é um problema gravíssimo porque as grandes capitais não só contam com grandes isenções, mas também não pagam os tributos que lhes correspondem, frisou.

Nem foi um projeto que contemplasse algum tipo de combate à corrupção, que neste país é uma verdadeira pandemia que consome uma parte substancial do orçamento nacional, disse à Prensa Latina.

Estima-se que entre 10% e 15% desse orçamento seja consumido pelos corruptos, disse Marín.

‘Toda esta situação gerou um apelo à mobilização que aspirávamos, que foi importante, que teve uma ampla repercussão, mas a realidade é que o movimento social e popular superou todas as expectativas’, disse.

GREVE NACIONAL

A greve demonstrou o sentimento reprimido nos últimos dois ou três anos pelas inúmeras reformas tributárias que já atingiram o bolso dos colombianos, afirmou.

Além disso, devido à absoluta ineficiência e às propostas do governo para enfrentar a crise gerada pela pandemia Covid-19, que agravou a situação econômica que o país já se arrastava, acrescentou.

Todos esses elementos se combinaram para gerar uma verdadeira revolta popular, uma vez que não se via na Colômbia há décadas, nem em extensão nem em duração, destacou. ‘Já estamos há mais de 15 dias, quando no país as greves ficavam restritas a alguns setores e territórios e duravam apenas alguns dias’.

‘Em geral, os governos conseguiram manobrar combinando forte repressão com promessas que realmente não foram cumpridas e conseguiram desativar esses movimentos de desavença social’, argumentou.

Mas desta vez, disse Marín, estamos diante de uma situação totalmente nova, diferente e qualitativamente superior. ‘O povo já entendeu que só a luta nas ruas, unida em torno de algumas bandeiras e mantendo a pressão, faz o governo ceder.’

Ele acrescentou que isso ocorre em um contexto de repressão que coloca os números praticamente ao nível de um verdadeiro massacre, com cerca de 50 colombianos mortos. ‘Fala-se de mais de 500 desaparecidos, de mil pessoas presas, processadas e levadas para a prisão, por isso poderíamos dizer que são verdadeiros presos políticos’.

As autoridades com esta ação agravaram o desacordo e a resposta à luta dos colombianos, principalmente dos mais jovens, nas ruas do país, significava.

Ele opinou que a comunidade internacional, ‘um conceito extremamente vago geralmente referido aos Estados Unidos e seus quatro ou cinco amigos, muito ágil e rápido para atacar governos progressistas, para sancionar projetos alternativos no mundo, tem se destacado na ausência do Caso colombiano ‘.

As declarações dos Estados Unidos, da União Europeia, das organizações multilaterais e, claro, da Organização dos Estados Americanos não se comprometem a condenar abertamente o regime fascista combatido pelos colombianos neste momento nas ruas do país, ele disse.

‘Existem centenas de milhares de pessoas empenhadas em fazer a situação mudar e para melhor’, disse ele.

ALGUNS RESULTADOS IMPORTANTES

‘Até agora alguns resultados extremamente importantes foram alcançados: essa proposta de reforma tributária foi desmantelada, dois ministros renunciaram, o governo anunciou que tem condições de garantir ensino superior gratuito para os estratos I, II e III’, enumerou.

Ou seja, matrícula zero para os setores mais pobres da população e, nesse sentido, ele descreveu que os colombianos estão estratificados em seis níveis. ‘O nível I é o mais baixo, de pessoas que vivem praticamente na pobreza, e o nível VI é o dos setores mais ricos da população’.

Isso é algo que o movimento estudantil já vinha pedindo, pedindo ou exigindo há muitos anos e o governo insistia em dizer que não podia ser especificado. ‘Um dos resultados dessa greve foi o anúncio de que isso poderia ser feito, foi uma decisão política e bastou simplesmente ter vontade de fazê-lo’.

A REPRESSO AUMENTA

O cenário parece bastante complexo. A repressão, como o mundo já sabe, está piorando, alertou.

‘Estamos praticamente perante uma política de terra arrasada por parte dos órgãos de segurança do Estado, da polícia em particular e do seu Esquadrão Móvel Anti-Motim (Esmad), que é um verdadeiro corpo de repressão, morte e perseguição’.

Destacou que na Colômbia existe uma polícia política com recursos de guerra para ‘enfrentar’ os problemas sociais. ‘O anúncio do envolvimento do exército nesta repressão constitui um contexto sério e, por outro lado, um aumento das mobilizações, da pressão social e popular, que cresce ao ponto de não haver soluções para as demandas do povo’.

‘Lamentamos, como lamenta a América Latina, que a OEA chefiada por Luis Almagro continue a desenvolver uma agenda contrária aos interesses dos povos do continente, totalmente servil aos interesses dos Estados Unidos e das oligarquias da região’, afirmou. disse.

Disse que a OEA e Almagro mantêm um silêncio cúmplice pelo qual devem responder em meio a esta dramática situação que atravessa a Colômbia.

‘Nada se esperava deles e, de fato, eles não fazem nada porque ainda estão engajados em outras questões que não esta que consideramos uma das mais importantes no contexto latino-americano hoje’.

PO E CIRCO

Por fim, está em jogo a possibilidade de cancelar a Copa América de Fútbol da Colômbia, que deve ser inaugurada em um mês, afirmou. No entanto, ‘as grades dos times muito fortes da Colômbia praticamente se uniram em torno do slogan de que o que o povo colombiano exige não é circo, mas pão’.

‘O que as pessoas exigem nas ruas com dignidade são melhores condições de vida e não mais shows para tentar encobrir o sangue, o massacre, a morte, o desaparecimento e as torturas em nossa pátria’, frisou.

‘Há relutância no apelo do governo ao diálogo, o que o povo quer é uma negociação baseada em agendas que incluam reivindicações’. As pessoas exigem, acrescentou, que o governo indique claramente quais cumprirá e quais não, e isso determinará se chega a um acordo.

Se assim for, a situação pode se estabilizar ‘enquanto se aguarda as eleições presidenciais de 2022 e a eleição de um governo democrático que atenda às necessidades do povo,

governar para o povo e não para os próprios monopólios, para os latifundiários, para os narcotraficantes e para as máfias ‘, assegurou o legislador à Prensa Latina.

arb / otf/bm

(*) Jornalista da Prensa Latina

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.