6 de December de 2021

NOTICIAS

Covid-19 aumentou a insegurança alimentar na Índia

Covid-19 aumentou a insegurança alimentar na Índia

Nova Delhi 14 Mai (Prensa Latina) A Índia luta hoje contra a segunda onda do Covid-19 com um sistema de saúde enfraquecido, enquanto milhões de seus habitantes que vivem em áreas rurais e favelas também enfrentam a insegurança alimentar.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O relatório do Global Hunger Index 2020 considerou grave a crise desta seção na Índia, que classificou 94 em 107 países, refletiu o portal de opinião News Click.

Em cidades como Dharavi, uma das maiores favelas da Ásia na cidade indiana de Mumbai, colocar comida na mesa é um desafio para um milhão de pessoas que vivem em uma das áreas mais densamente povoadas do mundo, disse o site.

A situação é sombria e o país está lutando contra a fome generalizada, a publicação Down to Earth também destacou recentemente.

Por sua vez, um estudo do Centro de Emprego Sustentável da Universidade Azim Premji estimou que a primeira onda da pandemia colocou 230 milhões de indianos abaixo da linha da pobreza.

Durante a primeira onda, as pessoas das favelas voltaram para suas cidades, mas sem oportunidades de emprego lá, elas tiveram que voltar para as cidades quando os casos do Covid-19 diminuíram em dezembro de 2020, disse o News Click.

Milhares de pessoas que trabalham no setor informal, como empregadas domésticas, motoristas, cozinheiras ou operárias, ficaram surpresas quando o governo anunciou o bloqueio nacional em curto prazo e teve que caminhar milhares de quilômetros para chegar às suas casas nas áreas rurais. país, onde quase não há centros de saúde.

A má gestão do Covid-19 no terreno e a falta de ação baseada em dados científicos não só causa a perda de vidas devido ao coronavírus em grande escala, mas também torna a insegurança alimentar outro fator contra o qual as pessoas têm de lutar para sobreviver, afirmou o portal.

O aumento do desemprego, especialmente no setor informal, é um dos principais motores da fome, à medida que a pandemia está fora de controle.

A este respeito, note-se que o governo do Primeiro-Ministro Narendra Modi não respondeu à crise de todas as formas possíveis.

Apesar dos sinais de alerta de aumento de casos, eventos generalizados da doença contagiosa, como o encontro religioso Kumbh Mela e a organização de comícios políticos em vários estados e territórios, foram permitidos.

Quando o sistema de saúde está sobrecarregado por um número crescente de casos e falta de leitos em unidades de terapia intensiva, o suprimento de oxigênio se esgota e os testes adequados diminuem, os especialistas prevêem uma terceira onda de pandemia.

Esta semana, uma dúzia de partidos de oposição exigiram que o primeiro-ministro Narendra Modi tomasse medidas imediatas para enfrentar o que eles chamam de uma catástrofe humana sem precedentes.

Os demandantes indicaram que o Executivo deve adquirir vacinas centralmente de todas as fontes possíveis e realizar uma campanha massiva, gratuita e universal de vacinação no país.

Além disso, amplie a produção nacional e libere fundos para comprar mais imunizantes, oxigênio e equipamentos médicos.

Além disso, entregar a todos os desempregados do país nada menos do que US $ 80 por mês e distribuir alimentos gratuitamente a todas as pessoas necessitadas.

Da mesma forma, revogar as polêmicas três novas leis agrícolas para proteger centenas de milhares de camponeses, a fim de continuar a produzir alimentos para o povo.

Não em vão, a nação sul-asiática de 1.350 milhões de habitantes superou nesta sexta-feira os 24 milhões de casos do Covid-19, acumulados desde o início da pandemia em janeiro do ano passado.

As mortes por doenças contagiosas chegam a 262.317 em toda a Índia, o segundo país mais afetado pela pandemia, depois dos Estados Unidos.

mem/abm/jcfl

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.