19 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Relações EUA-Cuba: uma questão de prioridade ou validade trumpista?

Relações EUA-Cuba: uma questão de prioridade ou validade trumpista?

Havana, (Prensa Latina) A validade hoje das mais de 240 medidas coercitivas impostas pelo governo Donald Trump contra Cuba faz parecer que o governo Joe Biden carece de uma política própria para com a nação caribenha.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Sob o argumento de que Cuba não é uma prioridade, a abordagem trumpista persiste na prática de prejudicar ao máximo a ilha e seus habitantes e colocar todos os obstáculos possíveis para que os laços bilaterais voltem a funcionar.

É o ressurgimento sem precedentes do bloqueio aplicado há mais de 60 anos, cujos efeitos causam perdas recordes a Cuba.

Basta dizer que do total de decisões anticubanas da era Trump, 55 dessas ações foram impostas na época de Covid-19, o que exemplifica a intenção criminosa da política norte-americana em vigor hoje.

Eles fazem parte da estrutura da cerca que impacta a vida dos cubanos e se confirma como o principal obstáculo ao desenvolvimento e a meta de alcançar a prosperidade e o bem-estar.

O bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos é a afronta mais longa contra os direitos humanos de um povo e constitui, pelos seus efeitos, um crime contra a humanidade.

Assim o descreveu o primeiro secretário do Partido Comunista Cubano, Miguel Díaz-Canel, no discurso de encerramento do oitavo congresso daquela entidade, no último dia 19 de abril.

Na ocasião, o presidente da República também destacou que junto com as medidas de Trump se somam as punições decorrentes da reinclusão de seu país na ‘lista espúria e arbitrária do Departamento de Estado sobre países que supostamente patrocinam o terrorismo’.

‘A decisão de retirar Cuba da referida lista está muito atrasada, apesar de o governo anterior ter tomado tal decisão ignorando todos os procedimentos internos para tal, disse o ex-embaixador da nação antilhana em Washington, José Ramón Cabañas, em um artigo recente publicado no Facebook.

Nenhum funcionário dos Estados Unidos e nenhum político deste ou de outro país pode afirmar sem ser verdadeiro que Cuba patrocina o terrorismo, Diaz-Canel refutou por sua vez e acrescentou: ‘Somos um país vítima do terrorismo, organizado, financiado e executado na maioria de casos dos Estados Unidos. ‘

Sem dúvida, Cuba permanece no colimador do poderoso vizinho do norte e, dado o custo humano da invariável hostilidade para com a ilha das Antilhas, pode-se perguntar se o atual governo compartilha a visão e as ações do governo Trump contra Havana.

É assim que Cabañas questiona, que destacou a permanência das ações de Trump contra seu país.

‘Nada disso foi retificado e à distância de 100 dias na atual gestão vale a pena perguntar se a filosofia dessas medidas acaba sendo compartilhada’, subscreveu.

E isso levanta outras questões sobre questões para observar a intenção de reconstruir as relações entre Washington e Havana.

Por que existem leis como a Lei Torricelli ou a Lei Helms-Burton que procuram controlar os destinos de Cuba e impedir seus laços comerciais com o mundo?

Nesse sentido, o alto dirigente cubano perguntou ao congresso do PCC por que Washington gasta ‘centenas de milhões de dólares tentando subverter a ordem constitucional de Cuba’, se este país não é uma prioridade para Biden.

O que justifica uma guerra econômica cruel e incessante por mais de 60 anos? Por que pagam o preço do isolamento internacional, evidenciado nas Nações Unidas e em outros fóruns internacionais, por manter uma política moral e juridicamente insustentável?, Foram outras questões levantadas pelo governante.

Os sinais de Havana, ao contrário, foram claros na intenção de retomar o caminho das relações com base na igualdade, no respeito mútuo e sem interferências.

É a posição do Partido e do Estado. É a vontade do nosso povo, disse Díaz-Canel em seu discurso, que também mencionou expressamente a disposição de cooperar com os Estados Unidos nas áreas que Washington declara prioritárias em sua política externa.

Eles resultam na luta contra as mudanças climáticas; o confronto com ameaças à saúde, incluindo a pandemia de Covid-19; promoção dos direitos humanos; e questões de imigração. Eles seriam bons pretextos para começar, embora existam outros tão importantes em que o governo de Joe Biden poderia mostrar uma mudança de atitude. Em particular quando crescem os apelos da sociedade civil norte-americana, do Congresso e de outros instintos para a revisão da política em relação a Cuba.

mem / ool / glmv

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.