7 de December de 2021

NOTICIAS

Mortos pelo bombardeio israelense de Gaza sobem para 43

Mortos pelo bombardeio israelense de Gaza sobem para 43

Ramallah, 12 mai(Prensa Latina) O governo palestino assegurou que hoje ao meio-dia o número de mortos em três dias de bombardeios indiscriminados israelenses contra a Faixa de Gaza é de 43, incluindo 13 menores e três mulheres.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A comunicação do Ministério da Saúde palestino acrescenta à lista 296 feridos, não incluindo os quase 500 feridos pela repressão de Israel, a potência ocupante, contra civis indefesos que protestaram em Jerusalém Oriental desde a semana passada pela proibição de acesso à mesquita de Al Aqsa.

Os dados foram confirmados pela agência da ONU para refugiados palestinos que certificou uma declaração em que das crianças mortas no primeiro dia dos atentados, quatro morreram na cidade de Beit Hanoun quando sua escola foi destruída por projéteis reativos.

Por sua vez, o promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI) Fatou Bensouda reiterou hoje que a escalada da violência israelense contra Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental se qualificam como crimes de guerra segundo o estatuto de Roma.

O Estatuto de Roma é o instrumento constitutivo do TPI; Sua adoção data de meados de 1998 e atualmente está investigando crimes de guerra cometidos por tropas israelenses nos territórios palestinos ocupados.

Embora o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, tenha feito um apelo aos israelenses e palestinos para que se acalmem e a Liga Árabe tenha feito um comunicado condenando os ataques, tudo indica que o primeiro continuará os ataques e o segundo a resistência.

A crise atual na área ocupada é composta por vários elementos combustíveis, incluindo a proibição israelense de palestinos em Jerusalém Oriental de participarem das eleições legislativas marcadas para o próximo dia 21, o que causou a suspensão da consulta.

O despejo dos residentes árabes no distrito de Sheikh Jarrah em Jerusalém e, acima de tudo, a proibição dos fiéis muçulmanos de rezar na mesquita de Al Aqsa durante o mês sagrado do Ramadã, juntamente com a invasão daquele templo por fanáticos hebreus, também precipitaram o violência.

A Mesquita de Al Aqsa, localizada em Jerusalém Oriental, Al Quds para 1,5 bilhão de muçulmanos, é um dos três lugares mais sagrados do Islã e após a ocupação desse segmento da cidade por Israel em 1967, foi objeto de várias Destruição tentativas de residentes de assentamentos sionistas ilegais na área.

mem / msl / glmv

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.