29 de November de 2021

NOTICIAS

Cali, a cidade sitiada da Colômbia, e as grandes mobilizações (+ Fotos)

Cali, a cidade sitiada da Colômbia, e as grandes mobilizações (+ Fotos)

Bogotá, 10 mai (Prensa Latina) A cidade de Cali, no Vale do Cauca, na Colômbia, amanhece hoje sitiada por militares e policiais após uma ordem criticada pelo Presidente Ivan Duque para pôr um fim ao protesto social.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Na noite passada, o presidente instruiu os ministros do Interior e da Defesa, Daniel Palacios e Diego Molano, respectivamente, a militarizar a cidade e ‘garantir (…) a maior mobilização das capacidades das forças de segurança’.

Ele pediu a aplicação da lei seca, o levantamento dos bloqueios e que os membros do Conselho Indígena Regional do Cauca retornassem às suas reservas.

Às 00:00 horas, horário local, o Vale do Cauca fechou as fronteiras, restringindo a circulação do transporte e das pessoas para entrar no território, medidas que devem estar em vigor até o próximo sábado, conforme instruções.

A ordem foi emitida após os eventos ocorridos ontem à tarde, quando civis, apoiados pela própria polícia, dispararam sobre os povos nativos reunidos no contexto da greve nacional, de acordo com reportagens e vídeos ao vivo transmitidos em redes sociais.

A polícia culpou as comunidades ancestrais pelo confronto, mas Feliciano Valencia, senador do Movimiento Alternativo Social e Indígena, negou tais acusações.

‘Ele está mentindo porque a Guarda Indígena não está armada, nem saqueou casas ou empresas, não somos ladrões ou vândalos. Foram os civis armados protegidos pela polícia que atacaram a população desarmada’, disse ele.

O ataque contra a minga indígena em Jamundí foi rejeitado pela ONU e por muitas personalidades do país.

Minutos após a ordem de Duque, o Exército anunciou que os soldados da Terceira Brigada, em conformidade com a assistência militar, estão realizando o controle local através de patrulhas em diferentes setores de Cali, Jamundi e Yumbo, ‘procurando garantir o bem-estar dos cidadãos’.

A verdade é que uma das exigências das grandes mobilizações que vêm ocorrendo na Colômbia desde 28 de abril é o fim da militarização das ruas e o fim da violência contra o povo.

Depois de 12 dias de protestos, 47 pessoas foram mortas no contexto da Greve Nacional, 39 delas às mãos das forças de segurança, denunciaram a ONG Temblores, um coletivo que atualiza e fundamenta os casos de violência nestas manifestações.

O senador Alianza Verde Antonio Sanguino advertiu que o Presidente Duque escolheu o caminho errado para resolver a crise em Cali.

Tal caminho, disse ele, é ‘fechar-se ainda mais no Palácio e recorrer às Forças Públicas que agem junto com civis armados violando os Direitos Humanos da população’.

Desde 28 de abril, os protestos não cessaram neste país sul-americano e o que começou como uma reivindicação contra uma reforma fiscal prejudicial, tornou-se uma onda de mobilizações em massa atacada pela polícia e pelo vestuário civil.

Bombas de gás lacrimogêneo, jatos de água, tiroteios, helicópteros sobrevoando algumas marchas, são algumas das constantes neste cenário de repressão que a Colômbia está experimentando.

jf/otf/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.