30 de November de 2021

NOTICIAS

Povos indígenas na Colômbia exigem seus direitos

Povos indígenas na Colômbia exigem seus direitos

Bogotá 7 Mai (Prensa Latina) Os povos ancestrais da Colômbia também fazem parte dos setores mobilizados contra a violência sistemática, as medidas econômicas do governo de Iván Duque que violam os direitos da população e pela paz.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em diferentes partes do país, com seus costumes originais, expressam seu repúdio à militarização, aos abusos no campo, à exclusão e à má gestão da pandemia.

A Organização Nacional Indígena da Colômbia (ONIC) faz um apelo urgente à comunidade internacional, aos irmãos de Abya Yala e aos democratas do mundo para que continuem a expressar publicamente e pelos respectivos canais diplomáticos sua preocupação com os atos de violência nesta Nação sul americana.

Também para que intercedam junto ao governo colombiano para que cesse o tratamento bélico dado ao protesto social.

A ONIC também solicita o reforço das missões de verificação que permitam a coleta de informações verídicas sobre a vulnerabilidade e os múltiplos efeitos sobre os direitos humanos à vida e integridade de todos os colombianos.

O grupo de povos ancestrais da Colômbia, denunciou a violência no país desencadeada pelas ‘ações desproporcionais da Polícia Nacional e em particular da Esmad (Esquadrões Anti-motins).

‘Há mais de 60 anos sofremos os rigores da guerra, além dos efeitos que a pandemia já deixa em todos os sentidos, vemos com dor como todo o país se torna vítima, porque o que está ameaçado é a democracia’, enfatiza. .

Acrescenta que a Colômbia é uma sociedade que aposta na paz e ao mesmo tempo destaca que os atos de vandalismo ocorridos durante o protesto não os representam.

‘Também não podemos aceitar a falta de empatia deste governo e sua incapacidade de compreender que a desigualdade, a fome e a pobreza também levam ao desespero e à desesperança, muito menos naturalizamos que a resposta a esses eventos é a violência do Estado’, comenta.

Alerta que os povos e nações indígenas, um dos atores mais determinados na construção inequívoca de uma sociedade pacífica, inclusiva, democrática e com justiça social e um dos setores mais violados desde a assinatura dos acordos de paz, têm autoridade moral para exigir a desmilitarização das cidades.

Esta é uma exigência incontornável para que se abra um verdadeiro diálogo social, que deve convocar todas as organizações e setores que participaram da greve nacional iniciada em 28 de abril, frisou.

Exige que o Congresso, o Ministério Público, o Ministério Público e a Ouvidoria atuem no âmbito de seus deveres constitucionais e jurídicos e investiguem os fatos que lamentam a vida dos colombianos que corroboram a urgência de uma reforma profunda que desmantele a Doutrina de Segurança militar segundo a qual o povo é um inimigo interno.

mem/otf/jcfl

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.