6 de December de 2021

NOTICIAS

Conselheiro colombiano afirmou que há um despertar cidadão

Conselheiro colombiano afirmou que há um despertar cidadão

Panamá, 7 de mai (Prensa Latina) 'Houve um despertar cidadão', assim definiu o jovem vereador Esteban Gañán, da cidade colombiana de Pereira, em entrevista ao jornal Crítica de Panamá, publicado hoje em seu site, no Panamá,
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

‘Quem reprime o povo deve pedir perdão’, disse o político de 24 anos do Partido Alianza Verde (Partido Aliança Verde), que falou por videoconferência com a mídia e explicou que nas ruas está reunido o produto do cansaço da população com um governo que reprimi o povo e a necessidade de mudanças no país.

Ele advertiu que há cidades onde se ordenou a retirada do serviço de internet para que os colombianos não possam fazer transmissões ao vivo nas redes sociais e enviar mensagens sobre a situação do país: é ‘uma ditadura total’.

As manifestações são um misto de todos as reivindicações do povo e da dor dos mortos das vítimas desta violência, que começou na Colômbia com a rejeição a um projeto de reforma tributária apresentado pelo governo e rejeitado pela população, mas que agora também refletem o mal-estar de grande parte da sociedade.

‘Em Pereira saímos às ruas – porque eu também saí – cerca de 100 mil pessoas, de uma população de pouco mais de 450 mil’, mas os prefeitos de muitas cidades – inclusive desta – deram ordens à polícia e aos grupos de choque que reprimissem o povo e isso aumentou o descontentamento dos cidadãos, comentou.

Então o povo passou a pedir ‘mudanças gerais’ e os pedidos ficaram muito mais longos e se juntaram também as mobilizações os caminhoneiros, taxistas, o setor de saúde, professores, sindicatos e outros, pois ‘os pedidos vêm de antes e houve um despertar cidadão’ frente as pendencias múltiplas do governo central e dos municípios.

‘O que corresponde aos governantes é que este processo seja pacífico, mas a mensagem que enviam é o contrário, é a de reprimir os cidadãos’, disse o vereador, que considerou que a repressão ‘desafiou os cidadãos’ e insistiu que é ‘um despertar’, porque ‘estamos cansados do uribismo’ (em referência ao ex-presidente Álvaro Uribe).

Explicou que, embora o presidente Duque tenha retirado a proposta tributária, a explosão popular se mantém pelo ressentimento pelas mortes e feridos causados pela repressão militar, além do fato de que uma vez nas ruas também pretendem lutar por outras questões sociais e exigir que o governo as resolva.

O uso excessivo da força criou uma rivalidade com a má mensagem do ‘pouco diálogo’ – disse ele – e no meio disso, Duque disse nas redes sociais ‘Convido vocês ao diálogo, mas pelas ruas militarizadas, reprimindo … como que nós, cidadãos, vamos dialogar com o presidente quando sua mensagem é para nos reprimir? ‘

Gañán denunciou que na noite da última quarta-feira, em Pereira, um grupo de jovens se manifestou pacificamente perto de uma ponte e um caminhão atirou neles, matou um deles e o estudante universitário Lucas Villa foi condenado à morte cerebral, e perguntou ao seu interlocutor: ‘Não é estranho para você que civis fizeram isso e ainda não conseguiram identificá-los?

Em oposição a essa realidade, o político mostrou imagens do município vizinho de Santa Rosa, onde o prefeito apoiou o protesto e isso permitiu que fosse uma cidade de paz, onde no momento da entrevista um ato em frente a Prefeitura homenageava os mortos pela repressão e disse que esse exemplo demonstra qual deveria ter sido a atitude das autoridades.

mem / orm / cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.