28 de November de 2021

NOTICIAS

O mosaico econômico assimétrico da União Europeia

O mosaico econômico assimétrico da União Europeia

Havana, 4 mai (Prensa Latina) As assimetrias na União Europeia (UE) precederam a Covid-19, uma crise sanitária com efeitos econômicos e sociais que tornou visível o impacto das medidas para reduzir os gastos públicos no bloco.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Para saber mais sobre as lacunas na UE, os danos causados pela adoção de regulamentos baseados em fórmulas neoliberais e as perspectivas de recuperação, Prensa Latina entrevistou Jourdy James, vice-diretor do Centro de Pesquisa da Economia Mundial (CIEM) e especialista em assuntos europeus.

O especialista explicou que a Europa está atualmente enfrentando a crise mais profunda desde o pós-guerra e a Covid-19 apenas exacerbou as grandes dificuldades internas.

Esta situação data da crise econômica mundial de 2008-2009, onde as soluções adotadas foram insuficientes para resolver os problemas.

Então, em 2012, veio a crise da dívida soberana – Portugal, Irlanda, Grécia e Espanha – e as chamadas ‘medidas de austeridade’ foram aplicadas, que responderam ao neoliberalismo implantado dentro da UE e apoiaram os interesses de classe do capital e das grandes burguesias alemãs e francesas, acrescentou ele.

Como resultado, em vários países, a previdência social, os salários, os sistemas de saúde e o consequente enfraquecimento das instituições públicas foram empobrecidos.

As prescrições erradas atingem mais duramente as nações menos desenvolvidas, disse James.

Entretanto, o desemprego também diminuiu, mas a qualidade do emprego diminuiu à medida que os empregos de meio período e temporários aumentaram e o salário caiu, disse ele.

Segundo James, a Covid-19 fez com que as assimetrias internas se alargassem e as economias fracas se tornassem ainda mais frágeis.

Entretanto, a aplicação de um grande imposto sobre grandes fortunas europeias poderia reverter muitos dos problemas dessas sociedades, advertiu ele, acrescentando que vários acadêmicos concordam com a necessidade de se chegar a um acordo com o grande capital.

COVID-19, NEOLIBERALISMO E INTEGRAÇO

Agora, o ambiente de crise de saúde evidenciou os fracassos do neoliberalismo. Primeiro, surgiu o sentimento nacionalista para resolver a situação, as nações se voltaram para dentro e, além disso, grandes intervenções públicas começaram em oposição ao mercado livre, disse ele.

Por outro lado, ele acrescentou, foi demonstrado que a ideologia da privatização difere com os bens públicos globais, e que já está sendo vista uma revalorização da saúde.

O neoliberalismo na Europa sofre de duas fraquezas atuais: uma maior intervenção estatal diante do mercado livre e o contraste entre a ideologia da privatização e a revalorização da saúde pública na comunidade como um todo, enfatizou. Enquanto isso, a integração da UE está fraturada e enfrenta o maior desafio desde sua criação. Com o surto da pandemia, as competências sanitárias insuficientes floresceram.

Entre eles: a falta de prevenção e pouca solidariedade, as tensões entre Estados sobre os artigos de proteção e o abandono das pessoas mais vulneráveis. Parece que a integração chegou a um ponto sem retorno, ele refletiu.

Covid-19, disse ele, é apenas um elemento adicional aos problemas existentes e mantém essas economias disfuncionais, estagnadas e com problemas estruturais.

O MOSAICO ECONÔMICO EUROPEU

As assimetrias dentro da UE remontam a anos atrás, disse ele, e lembrou que no início dos anos 2000, quando o euro foi introduzido pela primeira vez, houve muita discussão sobre este conceito, sobre como fazer convergir os indicadores macroeconômicos de todos estes países.

Na prática, foram levados em conta indicadores do ponto de vista fiscal e monetário, mas se você ampliar e aprofundar ao mesmo tempo, você gera um grande problema, acrescentou ele.

Nos anos 90, lembrou, o bloco comunitário tinha cerca de 15 membros e cresceu para 26, e a partir daquele momento, em países como Espanha, Portugal e Grécia, o fluxo de fundos estruturais começou a diminuir com a adesão dos países orientais – de 2004 a 2007 – que estavam muito menos desenvolvidos.

A UE é um mosaico econômico onde convergem países de diferentes tamanhos, os do norte e do sul, os altamente endividados, alguns com sérios problemas sociais e outros que dependem da localização das grandes nações europeias, disse.

No futuro, as assimetrias continuarão e se ampliarão. Hoje, a dívida pública excede 90% do produto interno bruto (PIB) na zona do euro e 89% na UE, disse ele.

Ou seja, em termos absolutos, a dívida pública dos governos europeus é de cerca de 12 trilhões de euros, e particularmente no caso da Grécia está representada como 200 por cento do PIB desde 180 pré-2020, quando já era considerada a maior dívida da UE, assinalou.

PLANO DE ESTÍMULO E PERSPECTIVAS PARA A RECUPERAÇO ECONÔMICA

Desta vez, em comparação com a crise da zona do euro de 2010-2012, a resposta do bloco foi melhor, talvez evitando que as economias se tornassem ainda mais frágeis, mas isso não contribuirá para estimular a recuperação, disse.

Com a participação do Banco Central Europeu, da Comissão Europeia, do Banco Europeu de Investimento e do Mecanismo de Estabilidade Europeu, foi aprovado um plano de estímulo de mais de 2,2 trilhões de euros.

As economias europeias iniciarão o processo de recuperação em 2021, embora provavelmente levará até 2023 para atingir níveis de atividade pré-pandêmicos.

Mas uma Europa a várias velocidades não vai resolver a crise, a resposta deve ser real e unida, os líderes europeus devem buscar medidas mais radicais.

Além de estabelecer um imposto abrangente sobre grandes fortunas e riqueza, abolindo privilégios fiscais corporativos e estabelecendo uma tributação efetiva e séria sobre a renda de capital, opinou.

De lá, argumentou ele, deveriam vir fundos públicos para investir em infraestruturas físicas, tecnológicas e educacionais, em planos de emprego para jovens, na manutenção dos direitos sociais e na amortização da dívida.

mem/acl/tdd/bm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.