9 de December de 2021

NOTICIAS

Mobilizações espontâneas, financiamentos e subversão contra Cuba

Mobilizações espontâneas, financiamentos e subversão contra Cuba

Havana, 4 mai (Prensa Latina) Pouco mais de 60 mil dólares foram solicitados pela organização Cultura Democrática à estadunidense National Endowment for Democracy (NED) para promover a liberdade de expressão pela arte em Cuba.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Este projeto subversivo, programado para funcionar de 1ú de abril de 2020 a 31 de março de 2021, não é, no entanto, o primeiro financiado por aquela agência governamental dos EUA através da Cultura Democrática, como evidenciado por documentos publicados ontem à noite no site www.canalcaribe.icrt.cu.

Também não é o primeiro envolvendo Luis Alberto Mariño e Anamely Ramos, dois cubanos que serviram como coordenadores no caso de Espaços de Memória: Promoção da Pesquisa e Criação da Arte Cubana, com o objetivo de promover Anima, um grupo de artistas opostos ao governo do país antilhano.

Neste último, Ramos era responsável pela gestão administrativa e se encarregava de organizar chamadas, reuniões de trabalho, colaborar na elaboração de relatórios trimestrais e monitorar o cumprimento de indicadores e objetivos propostos, de acordo com documentos publicados.

Quem são esses personagens? Cultura Democrática, uma organização com sede na Argentina, recebeu fundos da NED na base de mais de 47 mil dólares em 2019 e outros quase 50 mil em 2020 por suas ações contra Cuba, de acordo com a mesma fonte.

Além disso, sua coordenadora, Micaela Hierro, foi denunciada como agente de inteligência dos EUA devido a sua participação ativa na organização de fóruns e eventos subversivos na Nicarágua, Venezuela e na ilha caribenha.

Enquanto isso, Mariño, que atualmente reside na Argentina, é um músico cubano com ampla participação em campanhas subversivas em seu país de origem, de acordo com os documentos divulgados.

Ramos, por sua vez, vive atualmente no México, mas foi uma dos protagonistas da falsa greve de fome que ocorreu em novembro passado no bairro San Isidro, em Havana. Desde então, ela tem sido uma das faces visíveis da instigação da mobilização popular contra o governo, tanto com suas mensagens pelas redes sociais quanto com suas publicações em vários sites financiados por agências estadunidenses.

Ela mesma dirige um projeto chamado El parque horizontal, nascido do programa Iniciativa Cubana para a Inovação Social e Cultural (InCuba), que ofereceu treinamento e financiamento para ‘iniciativas inovadoras’ de jovens cubanos, mas também exigiu relatórios sobre suas ações.

Concebida para uma fase de preparação entre os meses de abril e julho de 2019, e depois uma fase de aplicação do que foi aprendido entre agosto de 2019 e agosto de 2020, a InCuba promoveu a criação de mídias digitais e a expansão territorial de uma organização social ou cultural.

Da mesma forma pesquisas e publicações, obras culturais, exposições e audiovisuais sobre questões sensíveis e preocupações sociais, tudo com uma inclinação crítica sobre a sociedade cubana.

Ramos, por exemplo, relatou ao InCuba, como atividades de seu projeto, a organização da campanha para a libertação de Luis Manuel Otero em março de 2020, quando ele foi acusado de insultar os símbolos nacionais.

Otero, que recentemente foi notícia novamente por realizar outra suposta greve de fome e de sede, em 2019 realizou uma ‘performance’ na qual mostrou a bandeira cubana, um dos principais símbolos nacionais, em situações que violam o estabelecido nas leis do país, um processo que o levou à prisão.

Ramos e os colaboradores do Parque Horizontal, de acordo com os documentos publicados, procuraram testemunhas para o julgamento, reuniram-se com artistas e intelectuais e desenvolveram conteúdos para a web e redes, todos eles incluídos na folha de pagamento.

A ativista também relatou a elaboração de dois textos próprios, um publicado na Revista Rialta e outro na revista Hypermedia, relacionados à campanha em favor do Otero.

Contradições de alguém que promove mobilizações espontâneas, enquanto recebe pagamento por suas ações; e imagina comícios populares inexistentes em Havana de protestos contra o governo, a partir de sua janela no México.

agp/kmg/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.