6 de December de 2021

NOTICIAS

As nuvens das reivindicações dos trabalhadores no Panamá

As nuvens das reivindicações dos trabalhadores no Panamá

Panamá 2 Mai (Prensa Latina) A classe operária panamenha tem pouco o que comemorar e muito a exigir, de acordo com as demandas das recentes marchas pelo Dia Internacional do Trabalhador, onde a alegria esteve ausente.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os slogans gritados em coro e os outdoors com ultimatos às autoridades foram refletidos por alguns meios de comunicação para lembrar ao governo o aumento do desemprego, da informalidade e da pobreza, além da crise do programa de aposentadoria do Fundo de Seguridade Social (CSS).

Embora os números macroeconômicos mostrassem um país saudável em 2019, a desaceleração deixou marcas no emprego e na renda familiar, que a desigualdade tornou mais visível nos setores econômicos e áreas geográficas onde predomina a pobreza; a pandemia do Covid-19 precipitou a queda.

Relatórios do Instituto Nacional de Estatística e Censos revelaram que em 2020 a taxa de desemprego teve um aumento significativo em relação às duas últimas décadas e os desempregados se aproximaram dos 600 mil no ano passado, o trabalho informal atingiu 52,8 da força de trabalho e quase um quinto da população está na pobreza.

‘Durante a pandemia, os trabalhadores ficaram desprotegidos, já que pagamos e carregados com a crise econômica, enquanto o setor empresarial tem garantida toda uma série de medidas, quando eles nunca deixaram de ganhar’, denunciou Nelva Reyes, secretária-geral da Central Autônomo Geral dos Trabalhadores.

Outra questão trabalhista em disputa é o déficit do CSS para fazer frente aos benefícios de saúde, velhice e morte no futuro imediato, para o qual o governo convocou uma mesa de diálogo, mas vários sindicatos a descreveram como um espaço ‘feito para beneficiar’ os grandes empresários.

O Conselho Nacional dos Trabalhadores Organizados (Conato) anunciou a suspensão de sua participação na mesa, pois ‘até agora o processo carece de fundamentos para ser um espaço efetivo de diálogo social’ e qualificou como ‘debates infrutíferos’ o que acontece naquele fórum.

Outro ponto de tensão deixado pela pandemia foi a modificação temporária do Código do Trabalho, já que na opinião de Javier Stanziola, do Centro de Pesquisas de Estudos Políticos, ‘as reformas têm apoiado a segurança jurídica das empresas, mas não houve reflexão suficiente nos trabalhadores ‘.

À medida que se aproxima o meio século deste Código, promovido pelo saudoso General Omar Torrijos, as conquistas operárias correm perigo face aos critérios das elites econômicas, expressos entre outros por quem os analistas consideram um dos seus porta-vozes, o economista Guillermo Chapman, que acreditava que deveria se reformar.

‘Não permitiremos que tirem os ganhos trabalhistas que conquistamos’, declarou Reyes em declarações a jornalistas, explicando que o Código não bloqueou a economia panamenha, por outro lado, impediu que ‘as empresas continuassem a triplicar o lucros que geram desigualdade.’

Outra nota polêmica foi um editorial de La Estrella de Panamá apenas na comemoração mundial, que gerou a reação de Saúl Méndez, dirigente sindical da construção, que disse à Prensa Latina que denota uma ‘abordagem ideológica’ quando se refere ao Dia do Trabalho. E não ao Dia do Trabalhor, e mesmo para ‘reciclagem no processo de trabalho’.

O texto em questão afirmava: ‘Há trabalhos que causam desgaste físico, como é o caso da construção civil e nisso o jovem leva vantagem sobre o mais velho. Por que então esse trabalhador não é incentivado a conquistar outros ofícios onde a força física não é a edificação bloquear, mas sua mente? ‘

Méndez descreveu-o como ‘um conceito além do mais neoliberal e hipócrita, porque é o trabalho humano que gera riqueza no mundo, que é acumulado por poucos, quem não trabalha, mas quem tem tudo’, e refletiu que tal ação seria trate o trabalhador como qualquer mercadoria descartável, diga ‘reinvente-se’.

Depois de qualificar o editorial de ‘mesquinho, rude e desumano’, o sindicalista propôs que, em vez disso, propusessem fórmulas para que os trabalhadores pudessem se aposentar com dignidade após o término da vida produtiva.

Estas são algumas das contradições que enrolaram os rostos dos que ontem marcharam pelas ruas desta capital, bandeira na mão, sob nuvens pesadas e a ameaça de uma tempestade iminente, adequada ao lema comum dos panamenhos: ‘sem lutas, aí não há vitórias. ‘

jcm/orm/jcfl

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.