7 de December de 2021

NOTICIAS

Tentativa de reanimar a Zona Livre de Cólon no Panamá

Tentativa de reanimar a Zona Livre de Cólon no Panamá

Panamá, 29 de abr (Prensa Latina) A renovação do marco legal da Zona Franca de Cólon (ZLC), no Panamá, está fermentando hoje para reavivar seu modelo de negócio e permitir as fábricas, entre outros incentivos para atrair investimentos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O Governo Nacional vai apresentar à Assembleia da República uma lei que cria o Programa de Modernização da Infra-Estrutura de Serviços Logísticos daquele enclave e também vai introduzir alterações à legislação em vigor, informou uma nota oficial.

A proposta foi elaborada após um processo de consultas aos setores envolvidos e aborda as áreas administrativa, trabalhista e fiscal, detalhou o ministro do Comércio e Indústria, Ramón Martínez, segundo o texto.

Por sua vez, a iniciativa permitirá a diversificação de atividades dentro da segunda maior zona franca do mundo, o que incluirá, entre outros, o registro de multinacionais para exercer a manufatura, um regime de trabalho com flexibilidades e a equalização de regulamentações com outras áreas semelhantes dentro do país.

A zona franca do Panamá Pacífico, situada junto à margem oeste do canal interoceânico, goza de benefícios mais favoráveis que os da ZLC, e igualar tais condições é uma reivindicação dos empresários do enclave colonense para nelas competir.

Nos últimos cinco anos, as autoridades aprovaram um regime de sedes de multinacionais e suas fábricas que podem operar em áreas consideradas especiais, que têm benefícios fiscais, trabalhistas, de imigração e administrativos excepcionais; as melhores condições neste sentido são oferecidas no Panamá Pacífico.

No entanto, o modelo de negócio da ZLC manteve essencialmente a sua origem em 1948, como armazém de recepção e redistribuição de mercadorias para o continente, que durante décadas foi muito próspero porque aproximou o abastecimento do cliente final, que numa espécie de loja gigantesca por departamento poderia adquirir o necessário.

Mas o desenvolvimento dos parques industriais, as negociações virtuais, o comércio eletrônico e outros avanços no setor de logística no mundo deixaram para trás o desenvolvimento do enclave septuagenário, que desde 2012 iniciou uma queda em seus movimentos, que na época representavam cerca de 30 bilhões de dólares anualmente. Mas a crise do comércio mundial em 2020 atingiu fortemente o ZLC, que contraiu a atividade geral em 20,5 por cento, cujo saldo financeiro era de 14.677,2 milhões, e no caso das importações caiu 21,5 por cento do seu valor e reexportou em 19,3, como consequência da pandemia Covid-19.

A perda, por dívidas e contencioso comercial, de mercados importantes como os têxteis para a Colômbia e mercadorias diversas para a Venezuela, obrigou à diversificação dos destinos, embora sem atingir os volumes do início da década passada.

msm / orm / fav

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.