3 de December de 2021

NOTICIAS

Leis antiaborto rejeitadas nos Estados Unidos

Leis antiaborto rejeitadas nos Estados Unidos

Washington, 27 abr (Prensa Latina) A assinatura de leis nos estados americanos de Montana e Oklahoma para restringir o aborto, hoje, motivou novas ações por parte de defensores da prática, que é legal em todo o país desde 1973.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os opositores dizem que estas iniciativas criticadas interferem nas decisões reprodutivas das mulheres e em seus vínculos com os prestadores de serviços de saúde.

Entretanto, o governador Gianforte de Montana, um republicano, elogiou três leis que ele assinou ontem contra o término da gravidez, escrevendo no Twitter que a vida é preciosa e deve ser protegida.

Uma das leis proíbe os abortos após 20 semanas de gestação.

Os outros dois exigem que os médicos ofereçam às mulheres grávidas a opção de ver uma ultrassonografia antes do procedimento e que as pílulas de aborto sejam administradas pessoalmente, não de qualquer outra forma.

Tais medidas, segundo várias fontes, afetarão as mulheres de baixa renda, rurais e nativas americanas.

O governador republicano de Oklahoma Kevin Stitt também assinou ontem três leis que visam minimizar as opções de aborto para as mulheres que desejam fazer um aborto.

Somente um médico licenciado para exercer medicina no estado e certificado em obstetrícia e ginecologia poderá interromper uma gravidez e, em caso de possível estupro, as penas para os infratores vão variar de um a três anos de prisão, uma das iniciativas estipula. Além disso, ninguém pode induzir uma mulher a fazer um aborto após o final do primeiro trimestre de gravidez, a menos que ele seja realizado em um hospital.

Outra lei torna uma conduta não profissional a realização de tal prática, a menos que os médicos estejam procurando evitar a morte da mãe ou uma deficiência física substancial ou irreversível que a coloque em risco de morte.

Finalmente, a terceira parte da legislação afirma que um aborto não pode ser realizado sem primeiro determinar se o feto tem um batimento cardíaco detectável.

agp/dsa/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.