4 de July de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Moira Millán persevera contra o ‘terricídio’ na Argentina

Moira Millán persevera contra o ‘terricídio’ na Argentina

Buenos Aires (Prensa Latina) Moira Millán sofreu perseguições, ameaças e a dor de ver seu povo massacrado durante anos, mas esta mapuche argentina continuou lutando pelos povos indígenas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Aos 50 anos, esta weychafe (guerreira), uma das lideranças do Movimento das Mulheres Indígenas pelo Bem Viver, percorreu o país de ponta a ponta lutando por suas irmãs, em face do ‘terricídio’ e do constante feminicídio que são vítimas, com práticas aberrantes neste século XXI.

Em meio à pandemia, a ofensiva continua e desde 14 de março, Dia Mundial de Combate às Barragens, ela e suas irmãs empreenderam uma caminhada de norte a sul do país -para denunciar o ‘terricídio’ como um crime contra a humanidade e contra a natureza-, que esperam concluir em Buenos Aires em 25 de maio.

Tudo começou em 2013, conta ela em entrevista exclusiva à Prensa Latina Millán, que em setembro desse ano partiu para Ushuaia, a cidade mais austral da Argentina, para conhecer em profundidade o que está acontecendo com as mulheres mapuche e as mulheres de várias etnias.

Ao chegarem em cada território, de várias comunidades, vieram me contar sobre seus problemas. Em 2015 realizamos a primeira grande marcha das mulheres indígenas pelo bem viver, apresentamos um projeto de lei para a nação e nos organizamos como um movimento. Hoje somos 500 das 36 nações, diz ela.

Essa mulher, que suporta constantes frases de ódio e ameaças, conta que quando começou a voltar para a Argentina era apenas um sonho reunir seus companheiros em um movimento, mas nunca imaginou que cresceria tanto.

HISTÓRIAS DOLOROSAS

Lá, naquela caminhada, ela aprendeu histórias de partir o coração, algumas que ela viveu na própria carne e uma em particular pela qual todos lutam hoje, a nefasta prática do chineo, nome que na época os crioulos davam às meninas indígenas ou adolescentes por seu rosto meio inclinado.

É abominável. Os crioulos de certo poder social e econômico escolhem meninas entre 8 e 10 anos para estuprá-las, vivem isso como um rito inicial, muitas vezes morrem em decorrência dessas violações, às vezes em rebanhos, em outras ocasiões se suicidam, diz Millán. A situação é ainda mais dolorosa quando essas meninas engravidam.

‘Isso infelizmente tem o consentimento cúmplice da comunidade, eles ficam calados, os estupradores são muitas vezes políticos, comerciantes, pessoas notáveis da cidade e eles compensam as famílias da vítima com uma vaca ou comida, houve até casos que em troca deram emprego ao pai ‘, denuncia o dirigente mapuche.

Millán se refere ao caso de estupro coletivo de uma menina de 12 anos no Chaco de Salta (noroeste da Argentina) e a isso se somam o consumo de cerveja com vidro moído. ‘Há situações de estupro com objetos, crueldade nos corpinhos, mutilação dos seios, o que acontece é terrível.’

‘Passa pelo racismo prevalecente, pela indiferença social, pela indolência de toda uma sociedade que assume que os corpinhos das meninas e mulheres indígenas são descartáveis, que a vida indígena não tem valor, é desvalorizada’, diz um dos rostos mais visíveis da luta das mulheres nativas nesta nação do sul.

CONTRA ‘TERRICIDA’

Ao lado dessa batalha, ela também liderou outra, contra o ‘terricídio’, um conceito, ela expressa, que eu venho construindo pessoalmente e é aceito pelo movimento das mulheres indígenas.

Conseguimos que seja considerado um conceito que contribui para a construção de uma categoria criminosa, o terricídio como crime contra a natureza e contra a humanidade. É a ação de matar os três sistemas de vida que reconhecemos como povos indígenas: o mundo tangível, o mundo perceptível e o dos povos, explica.

O assassinato no ecossistema, tangível; o perceptível seriam os lugares sagrados, onde existe um ecossistema espiritual, que regenera o círculo da vida, o latifúndio por exemplo é uma forma de ‘terricídio’, salienta.

Os proprietários remetem a locais sagrados onde dialogavam com a natureza para fortalecer o vínculo da vida. Hoje, ela comenta, é impossível porque eles estão em suas mãos. ‘No caso do sistema de vida dos povos, é uma estrutura cultural que pode contribuir para a criação de uma matriz civilizatória’.

Millán exemplifica como as empresas transnacionais se distribuíram por todos os territórios, abocanhando milhares de hectares de terras, como é o caso do italiano Luciano Benetton, que possui cerca de um milhão de hectares em minerais na rica Patagônia.

Parte desses territórios se enquadra na bacia de interesse dos hidrocarbonetos, e a maioria dos latifundiários se instala em locais onde há abundância de água doce, minerais e petróleo.

‘As transnacionais gozam de total impunidade, destroem a vida dos territórios, violam todos os direitos dos povos indígenas sob a cumplicidade dos diversos governos que se sucederam no Estado ‘, enfatiza.

RECONHECIMENTO DE PLURINACIONALIDADE

Depois de destacar que é muito complexo exigir direitos contra um Estado historicamente racista, Millán pede, em nome do movimento que ela e outros conterrâneos lideram, o reconhecimento da autodeterminação dos povos, territórios e da plurinacionalidade dos territórios.

Que o Estado assume uma verdade categórica, que não existe uma hegemonia cidadã, mas muitas nações sobrevivendo no mesmo território. Estamos sujeitos às regulamentações e à homogeneização da visão de um modelo de país com o qual não concordamos, extrativista, poluente, predatório, que não respeita a vida, afirma.

Millán luta hoje pelo reconhecimento de alguns territórios onde existiram povos indígenas que, segundo ela, continuam existindo. ‘Temos o direito de definir políticas em relação à nossa própria visão de povo, na saúde, na comunicação, no transporte e na produção de alimentos, no modelo educacional’.

Gostaríamos também que os direitos linguísticos fossem respeitados para nos compreendermos, acrescenta. A uma pergunta sobre como é viver entre o medo e a força enquanto defende um povo massacrado há séculos, ela destaca que os dois sentimentos se alimentam.

‘O medo é superado pela vontade de garantir a vida, de sonhar com um mundo melhor e de construir um novo pão solidário, justo, justo, onde possamos alimentar os sonhos dos povos de autodeterminação’.

Para Millán é muito importante não ficar calado, relatar, tentar construir e elaborar propostas. Não podemos esperar que condições milagrosas o possam fazer porque se passaram séculos e séculos de crimes contra nós, de expropriação, empobrecimento, redução territorial, afirma.

É preciso muita coragem para poder propor o que queremos, para onde queremos ir, custa muito porque temos o abandono, a perseguição, o silêncio machista de nefastos setores do poder, mas às vezes também dos maridos, das autoridades da comunidade, expõe.

Para além da judicialização e das mensagens odiosas, Millán afirma que continuará a lutar com o espírito weychafe que nela habita e com a fraternidade entre os seus companheiros de todos os povos, que às vezes, diz ela, sofrem mais do que eu.

Aos extrativistas, ela manda um recado: que se cuidem porque seus dias de ‘terricidas’ vão acabar. ‘A terra em seu movimento telúrico está despertando as mulheres e os povos do mundo para dizer o suficiente. Confio nessa força da terra para acabar com tantas mortes.’

Por fim, acrescenta que os povos indígenas devem continuar reivindicando seus direitos pela espiritualidade e pela construção de uma nova matriz civilizacional para este planeta que dela precisa em tempos de tantas crises.

arb/may/kl

(*) Correspondente da Prensa Latina na Argentina

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.