1 de December de 2021

NOTICIAS

Futebol inseguro na Super Liga Europeia

Futebol inseguro na Super Liga Europeia

Havana, (Prensa Latina) Houve um tempo em que o futebol se gabava de ser perfeito. O esporte número um do planeta foi um punhado de elogios, mas a vida mudou e a ambivalência remove seus alicerces entre pandemia, crise econômica e agora uma Super Liga Europeia que está morrendo em sua tentativa de alterar -em um golpe- o 'status quo' de disciplina.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Convencidos da urgência de mudanças para amenizar suas necessidades, 12 clubes se cumprimentaram e firmaram o torneio mais elitista da história, com 15 times em forma de matriz que se encarregariam e distribuiriam os interesses, e outros cinco que subiriam a cada uma temporada na dependência dos resultados das ligas do continente.

Tudo isso com total independência dos organismos do Estado, a fim de revolucionar o futebol e elevá-lo a outro patamar.

No entanto, o que pretendia ser uma inventividade ‘grandiosa’, hoje ouve reclamações por toda parte e o aborrecimento de políticos como o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, ameaças da FIFA e da UEFA, a descrença dos (ex) jogadores e da incerteza dos torcedores.

O choque futebolístico ocorreu no domingo, 18 de abril, e a pressão foi tanta que menos de 48 horas depois, as seis franquias inglesas signatárias reverteram suas aspirações aristocráticas: Manchester United, Liverpool, Chelsea, Arsenal, Tottenham e Manchester City.

E antes do aumento em decibéis nos múltiplos protestos para ofuscar uma luta vista como um verdadeiro choque de poderes, outros ‘cavaleiros do apocalipse’ abandonaram o navio da Espanha (Atlético de Madrid) e da Itália (Juventus, AC Milan e Inter de Milão), que formava uma estrutura de classes incapaz de ‘se apaixonar’ pelos alemães Bayern Munich e Borussia Dortmund e pelo francês Paris Saint-Germain.

Neste mapa heurístico, apenas duas diretrizes se mantêm estoicamente: Real Madrid e Barcelona, que tentam manter os joelhos retos e assimilar os golpes de quem ataca o projeto e realça o romantismo de eventos como a Liga dos Campeões e aquela mística de suas noites mágicas.

‘Propomos uma nova competição porque o sistema existente não funciona. A nossa proposta visa evoluir’, pensa Florentino Pérez, chefe da entidade Merengue e principal promotor da Superliga, enquanto sente o golpe da derrota em pescoço após a saída pela porta dos fundos de quase todos os seus camaradas.

Em meio a essa provação que parece ter suas atas contadas, alguns pensam que a oficialização da oferta resultou de um gesto de impaciência, uma resposta urgente aos efeitos da destrutiva pandemia Covid-19, um impulso apressado antes das contas financeiras mais frágeis. Outros também pedem para analisar o episódio de forma construtiva.

Claro, permanece que o egocentrismo fez uma aparição e a ideia de alterar a estabilidade de uma só vez em um contexto tão adverso, tornou-se um excesso daqueles que cometeram uma falha atribuível a egos exagerados e ao desejo de autoridade do capital. Apesar de tudo, a questão é: por quanto tempo essa tentativa de secessão sobreviverá?

(Retirado do Orb)

/kl

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.