6 de July de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Uma aldeia Wounaan e seu rio correndo para trás

Uma aldeia Wounaan e seu rio correndo para trás

Panamá, 24 de abr (Prensa Latina) Os Wounaan têm uma relação particular com os rios e fazem suas aldeias justamente onde as marés chegam, porque ali vivem os bons espíritos, enquanto os maus dominam a montante e a foz.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

No imaginário da etnia ancestral, aquele lugar onde a correnteza sobe e desce a cada seis horas, garante-lhes saúde, bem-estar, prosperidade e quantas coisas boas almejam na sua vida modesta e austera, num pacto perene com a Natureza.

A comunidade Majé-Chimán, no Panamá, fica a cerca de 10 quilômetros da foz do rio Majé, um riacho limpo com meandros e curvas cercado por uma vegetação de manguezais altos e matas virgens, onde a Mãe Natureza apresenta sua maior gama de verdes.

O trajeto por via terrestre até a capital do país, em tempo seco, poderia levar cerca de cinco horas de carro rural pelo aterro que margeia a cordilheira e, a seguir, percorrer cerca de duas horas pela rodovia Pan-americana.

Mas isso não é preocupação dos aldeões, que preferem navegar em seu rio até sair para o mar aberto do Pacífico e seguir para oeste até a foz do Bayano, subir até o porto fluvial de Coquira, uma jornada que pode ser feito em três horas, para depois levar mais 30 minutos de carro até a cidade.

A relação com o Majé obriga-os a seguir as suas regras, pois será necessário esperar que o rio corra para trás, um capricho da Natureza que acontece de seis em seis horas, quando a maré do Pacífico começa na maré alta e na maré baixa. corrente de água doce é empurrada para dentro.

Segundo os indígenas, isso só acontece em épocas de seca, durante a qual o leito do rio diminui ostensivamente e nas margens os níveis são reduzidos em cerca de três metros de altura na maré baixa.

Esses indígenas panamenhos convivem com esse comportamento de um dos elementos naturais de seu meio ambiente, assim como fazem com a densa selva, que defendem dos predadores humanos, que derrubam valiosas árvores madeireiras como o cocobolo (Dalbergia retusa).

‘A natureza vive sem nós, mas não podemos viver sem ela’, é a sábia filosofia que orienta uma relação harmoniosa e íntima com o meio ambiente, de onde tiram o seu sustento diário, sem excessos: a floresta e o rio são componentes indissociáveis das suas vidas.

Um pedaço de madeira para esculpir, fibras vegetais para tecer cestos, sementes para colorir tecidos, remédios naturais e alimentos retirados da terra cultivada ou da colheita de frutos silvestres, são alguns dos bens materiais que recebem com gratidão.

A pesca é outra fonte de alimento e subsistência econômica dessa comunidade, cujos ancestrais ocupavam parte do que hoje divide a fronteira artificial entre a Colômbia e o Panamá, a etnia também permaneceu nos dois territórios.

As religiões cristãs e outras denominações alcançaram as tribos desses indígenas onde ganharam adeptos, mas sem deixar de venerar sua ‘Chambita’, uma divindade em forma de barco em miniatura que é o guia espiritual do povo originário, a quem cantam, dançam e oferta.

O ser supremo é tirado de uma árvore para ser cortado na lua nova por um homem em jejum, e não deve durar mais do que 30 minutos. Depois de uma cerimônia complexa, eles esculpem uma espécie de canoa ou barco que pintam, enquanto a consagração da divindade se completa com danças e cantos.

Esses nativos, de caráter afável, alegre e de fácil comunicação bilíngue (Wounaan Meu e espanhol) desde muito cedo, mostram sensibilidade na inclinação para as artes, principalmente manual, dança e música.

Têm muito a mostrar ao mundo desenvolvido, essencialmente na sua relação com o meio ambiente e na democracia com que governam o concelho e os territórios comunitários, onde sempre pensam plurais e, por isso, procuram títulos de propriedade coletivos.

E, como afirma Julie Velázquez, uma antropóloga americana que estuda a cultura dos Wounaan: ‘eles vivem em uma civilização’.

mem / orm / fav

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.