5 de December de 2021

NOTICIAS

China transferirá tecnologias de vacinas para outros países

China transferirá tecnologias de vacinas para outros países

Beijing, 21 de abril (Prensa Latina) As farmacêuticas chinesas coordenam hoje a transferência para outros países das tecnologias utilizadas no desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19, com o objetivo de aumentar a produção global destes produtos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Yin Weidong, CEO da Sinovac Biotech, confirmou que sua empresa pretende transferir os métodos de fabricação da substância CoronaVac para 10 nações ao redor do mundo.

Da mesma forma, o presidente da CanSinoBIO, Yu Xuefeng, comentou um projeto semelhante entre aquela corporação, México e Paquistão, para produzir mais doses de sua preparação e enviá-las -respectivamente- para territórios da América do Sul e Ásia Central.

Até o momento, essas e outras empresas farmacêuticas chinesas exportaram milhões de doses a granel e os países destinatários cuidaram de embalá-las e distribuí-las.

A nova iniciativa inclui também a construção de linhas de envase e embalagem.

O gigante asiático tem 17 vacinas em diferentes estágios de testes e desde julho passado inoculou 200 milhões de cidadãos nacionais e estrangeiros com as quatro mais avançadas.

Fechou acordos com diversos países do mundo para exportar os medicamentos e solicitou à Organização Mundial da Saúde que incorporasse a fórmula da Sinovac, Sinopharm e CanSinoBio ao programa Covax.

Os reguladores estão atualmente examinando informações de ensaios clínicos e outros dados para o injetável criado pela BioNTech e Pfizer (Alemanha-Estados Unidos), como parte de um plano para incluí-lo na campanha de imunização em massa.

Sua aprovação a tornaria a primeira vacina de origem estrangeira aplicada aqui e abriria caminho para que pesquisas determinassem se é mais eficaz usá-la na primeira dose e depois na segunda vez para administrar o tipo inativado de Sinovac.

A China aposta nessa ideia em meio a um debate sobre a administração de substâncias criadas com diferentes métodos para fortalecer a resposta imunológica contra qualquer uma das mutações do coronavírus SARS-CoV-2, causador do Covid-19.

No entanto, suas autoridades garantem que os medicamentos nacionais protegem, são seguros e os planos para este ano são de fabricar mais de três bilhões de doses, diante das constantes críticas de alguns meios de comunicação sobre sua eficácia.

A nação oriental acumula pelo menos 4.856 mortes e 103.371 infectados no continente, Hong Kong, Macau e Taiwan desde o surgimento da doença e do coronavírus que tiveram início em dezembro de 2019.

Também mantém em observação 311 pacientes assintomáticos, contabilizados separadamente.

mem / ymr / hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.