30 de November de 2021

NOTICIAS

Tribunal uruguaio criticado por ter libertado torturador

Tribunal uruguaio criticado por ter libertado torturador

Montevidéu, 19 abr (Prensa Latina) O Tribunal de Apelações do Uruguai passou hoje por um exame crítico para a libertação de um torturador da ditadura (1973-1985) e um reiterado desrespeito por crimes contra a humanidade.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A Promotoria de Direitos Humanos apresentou um recurso de extensão no qual pediu uma pulseira eletrônica para o coronel extraditado aposentado Eduardo Ferro e uma proibição de se aproximar de suas vítimas, o que o tribunal rejeitou.

Em vez disso, ela deferiu anteriormente o pedido da defesa do ex-repressor, apesar dos avisos de perigo de fuga, como fez em 2017, quando ele escapou para a Espanha após escapar várias vezes da intimação para comparecer perante o sistema judicial.

Para o promotor especial para crimes contra a humanidade, Ricardo Perciballe, há testemunhas e provas suficientes para acusar Ferro pelo assassinato sob tortura do comunista Oscar Tassino em 1977 e outras violações e desaparecimentos de prisioneiros durante a ditadura.

A diretora da Instituição Nacional de Direitos Humanos, Mariana Mota, disse ao jornal La Diaria que ‘você não encontrará neste tribunal uma sentença que cumpra as normas internacionais sobre crimes contra a humanidade’.

Ela citou como exemplo o caso do assassinato do preso Vladimir Roslik em 1984 no Batalhão de Infantaria Nove, que foi fechado em 1987 e que, quando seus parentes pediram ao tribunal para reabri-lo em 2014 com novos elementos acusatórios, ela respondeu que era res judicata e deixou os responsáveis militares impunes.

Ele também lembrou sua recusa em reabrir o caso do assassinato em um centro de detenção militar do jovem lutador Tupamaro Roberto Gomensoro, cujo corpo foi jogado em um rio, e o seqüestro e desaparecimento da nora do poeta argentino Juan Gelman.

A associação Uruguaia Mães e Parentes de Uruguaios Detidos e Desaparecidos condenou em uma declaração a última decisão do tribunal de apelação e advertiu sobre outra possível fuga do torturador.

Por sua vez, o grupo de presos políticos Crysol salientou que ao libertar Ferro, que estava em prisão preventiva, a Corte criticada mais uma vez impediu o avanço da causa da verdade e da justiça.

jf/hr/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.