2 de December de 2021

NOTICIAS

Ambientalistas pelo renascimento de áreas alpinas italianas

Ambientalistas pelo renascimento de áreas alpinas italianas

Roma, 19 abr (Prensa Latina) Legambiente e Nova Ecologia realizarão hoje a segunda reunião on-line para avaliar o Plano Nacional de Recuperação e Resiliência e adaptação climática nas áreas alpinas italianas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os Alpes italianos se estendem por quase 1.200 quilômetros e ocupam uma área de 30.000 quilômetros quadrados, 10% do território nacional, e estão entre as áreas mais expostas aos efeitos da crise climática.

Nos últimos 150 anos, houve uma redução de 60% na área das geleiras, com picos de 82% nos Alpes Julianos e 97% nos Alpes Marítimos, segundo a Legambiente.

Nas áreas montanhosas italianas, e em particular no arco alpino, os efeitos da mudança climática serão três vezes maiores em magnitude do que a média mundial.

A associação também sustenta que o aquecimento das áreas alpinas é particularmente alto, com valores iguais ao dobro dos do resto do país; além disso, são esperados aumentos de temperatura entre dois e três graus até 2050, e até o final do século eles vão variar entre três e sete graus, de acordo com os cenários de emissão.

A discussão terá como objetivo avaliar as oportunidades da estratégia europeia para reduzir os riscos e conseguir uma gestão mais prudente dos recursos naturais, incluindo a água.

Na primeira reunião sobre o assunto, realizada em 8 de abril, a associação ambiental mais difundida na Itália pronunciou-se a favor de dar conteúdo a ações e políticas específicas, tirando proveito da prevenção e da resiliência.

De acordo com o legambiente.it, a organização disse que o principal esforço deveria ser concentrado na manutenção do equilíbrio entre a demanda e a disponibilidade de água sem alterar os ecossistemas, sabendo que a exploração deste recurso atingiu um nível crítico muito alto e, em muitos casos, já é insustentável.

Com relação à agricultura, ele também defendeu a reconversão do sistema de irrigação, baseado, por exemplo, na irrigação por gotejamento, com o objetivo de garantir pelo menos 50% da água utilizada, ou mesmo recorrer a reconversões agrícolas.

Giorgio Zampetti, diretor geral da Legambiente, disse à reunião que a Itália é a única das nações europeias mais avançadas sem um plano de adaptação climática.

Até hoje, disse ele, as emergências são perseguidas sem uma estratégia clara de prevenção para proteger e preservar tanto os ambientes naturais quanto as áreas criadas pelo homem.

Entre as oito reformas exigidas nessa ocasião estão a aprovação de um plano nacional de adaptação ao clima; ter um padrão que reúna mitigação de riscos e adaptação climática; e tomar medidas para reduzir riscos, proteger e restaurar ecossistemas e biodiversidade.

mem/smp/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.