7 de December de 2021

NOTICIAS

Ramadan impõe sacrifícios econômicos extremos no Líbano

Ramadan impõe sacrifícios econômicos extremos no Líbano

Por Armando Reyes Calderín
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Beirute, 18 abr (Prensa Latina) Muçulmanos no Líbano sofrem extremo sacrifício financeiro para quebrar o jejum diurno do mês sagrado islâmico em face de uma inflação que hoje reduziu a nada os salários de nove em cada dez pessoas.

Com a desvalorização de quase 90% da moeda nacional em relação ao dólar, os produtos básicos atingiram um nível inatingível para a maioria dos cidadãos.

Os comerciantes repassam a diferença de suas perdas para seus clientes, e iftar, o jantar feito no final do dia durante o Ramadã, é uma tarefa cada vez mais difícil.

‘A cesta básica é uma loucura, porque subiu ainda mais; um prato de salada custa seis vezes mais este ano’, disse Um Ahmed à rede de televisão do Catar Al Jazeera.

‘O que fazemos? Oramos? Não estamos acostumados a implorar’, acrescentou.

Segundo a Prensa Latina, para mais da metade dos libaneses, a comida é um luxo hoje, segundo estatísticas da ONU de que 55% dos seis milhões de habitantes estão abaixo da linha da pobreza.

Kamal Hassan, um engenheiro civil formado em Cuba, comentou que seu salário em libras libanesas que antes era superior a mil dólares por mês era de cerca de 120 no mercado paralelo.

Opinião semelhante foi expressa por Jamal El-Hussein, também graduado em farmácia no país caribenho, embora esteja em melhores condições, pois mora na cidade de Balbeck, no norte do país, perto do Vale do Bekaa, o celeiro por excelência deste país.

Embora o Ramadã, um mês de abstinência para os muçulmanos, seja um evento em conformidade com as ordenanças do Alcorão, há poucos sinais marcando a ocasião em muitos bairros das capitais.

Antigamente, os islâmicos se enfeitavam com lâmpadas, enfeites e barracas que vendiam doces tradicionais para uma mesa de iftar, mas hoje em dia os cenários são bem diferentes.

A pior crise econômica e financeira do país em décadas atinge o bolso dos cidadãos comuns que viram seu poder de compra reduzido ao mínimo.

No início do mês, a libra libanesa caiu para 10 mil em relação ao dólar e depois teve picos de 15 mil, enquanto agora estabilizou em cerca de 12 mil, enquanto os estipêndios se mantiveram os mesmos.

‘Quem comprava um quilo de verdura cortava ao meio, outros compram aos pedaços ou não o fazem na hora de checar os preços’, confirmou Ahmed, vendedor de verduras.

Segundo estimativas, para o iftar, uma família de cinco pessoas paga quase o dobro do salário mínimo, cerca de US $ 60 ao preço do mercado negro.

O Líbano importa mais de 80% de seus alimentos e o governo carece de meios para resolver esta situação devido à escassez de divisas causada pela crise que anuncia a aproximação de uma explosão social.

msm / arc / db

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.