6 de December de 2021

NOTICIAS

A América Latina tem sua casa em Cuba

A América Latina tem sua casa em Cuba

Por Danay Galletti Hernandez
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Havana, 18 abr (Prensa Latina) A Casa de las Américas de Havana, capital de Cuba, rompeu o bloqueio cultural há mais de seis décadas e reuniu intelectuais e artistas da área, profissionais vinculados à instituição hoje reconhecidos.

O espaço latino-americano e caribenho iniciou a difusão do pensamento continental em abril de 1959, sob a direção da heroína e guerrilheira cubana Haydee Santamaría e seu material bibliográfico é uma revisão da história, da intelectualidade e dos processos sociopolíticos da região.

Localizado na esquina das ruas 3era e G, no bairro do Vedado, o famoso edifício é Monumento Nacional desde 2010, e que melhor ocasião para lembrar sua marca do que este 18 de abril, Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

Embora tenha sido inicialmente concebida como residência, em 1947, após ser adquirida pela Associação de Escritores e Artistas Americanos, a propriedade acrescentou um terceiro andar. Quase uma década depois, o arquiteto cubano Ramón del Busto acrescentou a conhecida torre.

Durante uma conversa entre Santamaría e um grupo de trabalhadores cubanos em 4 de junho de 1974 e transmitida pelo La Ventana – portal de informações da instituição -, ela contou que, ao chegar, em 1959, ‘era um pedaço de casa que parecia uma igreja’. .

‘Aqueles de nós que estivemos próximos dos camaradas que neste país sabem o que pode acontecer, especialmente Fidel (Castro), sabíamos que havia rupturas iminentes nas relações com a América Latina, que teríamos grandes conflitos (…) I Começamos a pensar que, quando nos isolam de nosso continente, é importante não nos isolarmos da cultura latino-americana ‘, disse.

Nos momentos de fundação, a entidade travou o bloqueio à Ilha da literatura e da arte.

‘Quando quase nenhum país do nosso continente veio de Cuba, chegou a Casa de las Américas (…) E quando os escritores latino-americanos vêm a Cuba, o que mais nos interessa é que (…) saiam com uma visão justa de o que é a nossa revolução ‘, disse ele.

Pensamento, pesquisa e história

O atual diretor do Centro de Pesquisas e da Revista Casa de las Américas, Jorge Fornet, lembrou que um dos propósitos da instituição foi sempre o conhecimento e a divulgação do pensamento regional, a partir de três linhas fundamentais de trabalho: o prêmio, a revista e O editor.

‘Ao nível literário e editorial houve uma ascensão rápida. Acima de tudo, para compilar temas e autores-chave; ideias e propostas emanadas da Câmara e que serviram de pivô para a reflexão sobre o continente’, disse.

‘Um dos primeiros prêmios de ensaio, concedido em 1960, foi para o escritor, poeta e crítico literário argentino Ezequiel Martínez Estrada’, disse ele à Prensa Latina.

Na opinião do acadêmico, se analisarmos as coleções, prêmios e livros publicados em mais de 60 anos, podemos compreender a trajetória, o testemunho e o valor documental da região e os sentimentos da intelectualidade, incluindo o dramaturgo e político guatemalteco Manuel Galich (1913-1984) e o poeta uruguaio Mario Benedetti (1920-2009).

‘A Casa valoriza a obra de grandes pensadores do século XIX como o porto-riquenho Eugenio María de Hostos e o cubano José Martí, mas também agrega autores contemporâneos. É um organismo raro: porque é muito fiel à instituição do primeiro dia e ao mesmo tempo é muito diferente ‘, disse ele.

Segundo Fornet, a entidade sempre se aventura na criação de novos departamentos, programas e categorias para concorrer e muitos autores da região se deram a conhecer graças a este espaço cultural de Havana.

É o caso, por exemplo, do jornalista e escritor uruguaio Eduardo Galeano cujo texto ‘As veias abertas da América Latina’ mereceu menção no Prêmio Casa de las Américas de 1971 e hoje é um dos clássicos do continente. literatura política. Com o passar dos anos, alerta o pesquisador, foram acrescentados temas universais. Os estudos sobre mulheres, povos indígenas e latinos nos Estados Unidos se somaram à análise e promoção das letras, música, teatro e artes visuais, destacou.

A presença da África na região, o estruturalismo, o papel das universidades, a ecologia e, agora, o impacto da pandemia Covid-19, acrescentou.

msm / dgh / db

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.