29 de November de 2021

NOTICIAS

Brasil busca igualar Cuba no voleibol olímpico (+ Foto)

Brasil busca igualar Cuba no voleibol olímpico (+ Foto)

Brasília, 17 abr (Prensa Latina) O treinador José Roberto Guimarães chamou a experiente jogadora Sheilla Castro para a equipe brasileira feminina de vôlei, que busca igualar Cuba em Tóquio 2021 com três ouros olímpicos, foi confirmada hoje.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O portal Globoesporte diz que Sheilla, 37 anos, bicampeã olímpica (Beijing 2008 e Londres 2012), se reportará à equipe na segunda-feira no centro de treinamento da Confederação Brasileira de Voleibol, em Saquarema, Rio de Janeiro.

Por enquanto, os defensores centrais Adenízia, Bia, Mayany, Carol e Carol Gattaz, as elevadoras Macris, Dani Lins e Roberta estão treinando no centro de treinamento.

Da mesma forma, as liberos Camila Brait e Nyeme, as atacantes Fernanda Garay, Natália e Ana Cristina, as opostas Tandara e Lorenne e a atacante/oposita Rosamaria.

Aparecem como jogadoras convidadas, as jogadoras centrais Lorena e Diana, e a atacante Karina.

Neste ano olímpico, os sextetos brasileiros têm como primeiro compromisso a Liga das Nações, que acontecerá em sistema de bolhas, na cidade italiana de Rimini.

A competição está programada para acontecer de 25 de maio a 20 de junho para as equipes femininas e de 28 de maio a 23 de junho para as equipes masculinas.

Brasil busca igualar Cuba no voleibol olímpicoDe acordo com o site, Sheilla era um dos principais nomes do Athletes Unlimited, o melhor time da liga de vôlei dos Estados Unidos, que chegou ao fim em março.

Lá, a veterano atleta, que joga em frente, não pôde treinar por causa da quarentena e do tempo frio em uma academia não aquecida.

Uma lesão na panturrilha atrapalhou seus planos e a manteve fora das quadras no início do torneio. Ela perdeu alguns jogos e demorou para se ajustar ao formato, mas estava feliz por fazer parte do projeto.

Durante uma entrevista com a Globoesporte na época, Sheilla disse que não queria ir a Tóquio a menos que fosse para fazer a diferença também na quadra.

‘Em termos de maturidade, eu estou muito acima da maioria. Você pode perguntar a qualquer um e eles lhe dirão. Mas se eu não puder ajudar técnica e fisicamente, não quero ir’, observou ela.

Sem Thaisa, que pediu para deixar a equipe, Fabiana Claudino grávida, e Jaqueline fora dos planos de Ze Roberto, Sheilla é a única jogadora de vôlei ativa que pode ser tricampeã olímpica em Tóquio, igualando a espetacular Morenas del Caribe de Cuba, que ganhou três ouros (Barcelona 1992, Atlanta 1996 e Sydney 2000).

A antiga União Soviética ganhou quatro medalhas de ouro (México 68, Munique 1972, Moscou 1980 e Seul 1988). A China também subiu três vezes ao pódio (Los Angeles 1984, Atenas 2004 e Rio 2016). mem/ocs/bm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.