30 de November de 2021

NOTICIAS

China adverte para os riscos após derramamento de água de Fukushima

China adverte para os riscos após derramamento de água de Fukushima

Pequim, 15 de abr (Prensa Latina) A China disse hoje que estará vigilante e protegerá seus consumidores dos riscos da agricultura, pesca e comércio, decorrentes do vazamento no Oceano Pacífico de águas radioativas da usina de Fukushima.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O Ministério do Comércio prometeu monitorar cuidadosamente como a situação evoluirá assim que o Japão implementar esse plano e garantiu que priorizará a segurança dos cidadãos acima de tudo.

Ele também expressou profunda preocupação com a decisão japonesa, já que envolve o despejo de 1,22 milhão de metros cúbicos de água processada no mar a partir do resfriamento dos núcleos do reator danificados durante o desastre de 2011, dos aquíferos subterrâneos e das chuvas.

A imprensa chinesa alertou na quinta-feira que esta iniciativa só se traduzirá para o Japão em um retrocesso nas exportações e danos à sua reputação em um futuro próximo.

Além disso, o Ministério dos Negócios Estrangeiros reiterou mais uma vez sua rejeição ao plano de Tóquio devido ao seu previsível impacto em outros países, exigiu que fizesse todo o possível para evitar a poluição marinha e criticou que não leva em conta as considerações relativas à indústria pesqueira, organizações ambientais e territórios limítrofes.

Anteriormente, exigia uma avaliação aprofundada dos possíveis efeitos das águas tóxicas da planta de Fukushima e tornar as informações públicas de maneira oportuna, estrita, aberta e transparente.

Na terça-feira, o governo japonês confirmou que despejará o líquido no Oceano Pacífico, após tratá-lo para remover a maior parte dos elementos radioativos.

Optou por essa medida em conjunto com a operadora da usina Tokyo Electric Power, por considerá-la a mais viável dada a acumulação do produto, já que a capacidade limite de enchimento é de 1,37 milhões de metros cúbicos e estima-se que possa ser atingida no próximo ano

Mas é rejeitado pela China, Coréia do Sul, Rússia e até mesmo pelas associações de pescadores de Fukushima, uma das indústrias mais atingidas pelo desastre de 2011, por medo de contaminação do ecossistema marinho.

mem / ymr / fav

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.