7 de December de 2021

NOTICIAS

Ex-presidenta de fato da Bolívia depõe perante Ministério Público

Ex-presidenta de fato da Bolívia depõe perante Ministério Público

La Paz, 14 abr (Prensa Latina) A ex-presidenta de facto da Bolívia Jeanine Áñez depõe hoje na prisão de Miraflores como parte da proposta acusatória para o julgamento de responsabilidades apresentada pelo Ministro da Justiça, Iván Lima.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A ex-presidenta, que está detido desde 17 de março há seis meses sob acusações de terrorismo, sedição e conspiração, foi convocada pelo Ministério Público a fim de ‘apresentar sua confissão como réu’ no chamado caso de golpe de Estado.

A Promotoria Pública aceitou contra ela em 23 de março os casos de empréstimo inconstitucional do Fundo Monetário Internacional (FMI), violação da liberdade de expressão na quarentena pelo Covid-19 e violação dos direitos humanos dos bolivianos impedidos de entrar no país a partir do Chile em 2020.

O primeiro refere-se a um empréstimo de mais de 300 milhões de dólares, solicitado ao FMI sem o correspondente aval legislativo, e que representou o pagamento de mais de 24 milhões de dólares sem que a quantia tenha sido utilizada.

A segunda reclamação refere-se à suposta violação da liberdade de expressão, uma vez que o Decreto Supremo 4200 usou o Covid-19 como pretexto para criminalizar a dissidência e outras liberdades e direitos de milhares de pessoas.

O outro pedido admitido veio de queixas de nacionais que durante semanas foram impedidos de retornar à sua terra natal e permaneceram em condições desumanas na fronteira com o Chile no meio da primeira onda da pandemia.

Também incluídos na investigação dos eventos de novembro de 2019 estão o ex-ministro da Economia José Luis Parada Rivero e o ex-presidente do Banco Central da Bolívia Guillermo Aponte.

O Ministério Público tem 30 dias úteis para formular a exigência acusatória ou a rejeição da proposta e, se der curso ao processo, a análise passa para o Legislativo, onde o julgamento das responsabilidades será discutido.

A prisão de Áñez e ex-funcionários de seu governo gerou uma série de reações contra a busca de justiça pelas forças da oposição, quando como resultado da ruptura constitucional e dos massacres de Sacaba (Cochabamba) e Senkata (El Alto, La Paz) 36 pessoas morreram, 800 ficaram feridas e mais de mil foram presas.

ga/znc/bm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.